Mentira Romântica e Verdade Romanesca
Clique na imagem para ampliar

Mentira Romântica e Verdade Romanesca

17,90 €
  • ISBN: 9789898928207
  • Depósito legal: 459245/19
  • Edição: 11/2019
  • Idioma: Português
  • Nº Páginas: 285, [2] p.
  • Tipo: Livro
  • Estado: Novo
  • Autor: Girard, René
  • Tradutor: Oliveira, Daly
Tema: Dicionários, Linguística e Estudos Literários
Colecção: Textos fundamentais. 

Procure o livro que tanto deseja

Selecione a quantidade prentendida, da Livraria que mais lhe convém

Pode encomendar livros em diferentes livrarias

Coloque os seus dados de contato e finalize o seu pedido

Irá ser contatado pelos Livreiros sobre a sua encomenda

Livrarias

Livraria Localização Estado Quantidade
Snob Lisboa, Lisboa Disponível -+
Distopia – Livros, Música, Papelaria Lisboa, Lisboa Disponível -+
  • Descrição

Mentira Romântica e Verdade Romanesca é o primeiro livro de René Girard e marca o início de uma obra desbravadora de novos caminhos na compreensão do ser humano. Aqui, o autor apresenta uma nova teoria antropológica, a teoria do carácter mimético do desejo, por meio da análise da obra de cinco grandes autores: Cervantes, Stendhal, Flaubert, Proust e Dostoiévski. Mas a teoria de Girard não se restringe ao universo literário e congrega elementos de história, filosofia, teologia, psicanálise e antropologia.

Nas palavras do autor, «este livro pretende mostrar que o desejo tem uma história e que esta se define pela constante aproximação dos modelos e dos seus imitadores. Não se trata aqui de um fenómeno exclusivamente literário. É fácil verificar que também ocorre na história real. Quanto mais o mundo se democratiza, mais a liberdade individual se difunde, mais as rivalidades se multiplicam, tanto as mais estéreis, quanto as mais fecundas. Toda esta concorrência acelera o desenvolvimento económico, científico e técnico, mas, ao mesmo tempo, suscita o mal-estar dos indivíduos, dada a instabilidade de qualquer comunidade, seja familiar, local ou nacional. […] Os literatos puros suspeitam de que a arte do romance seja, aqui, um meio e não um fim. Aceito de bom grado essa censura, pois parece-me que a maior homenagem que se pode prestar à literatura é ressuscitar a ideia muito antiga que faz dela tanto uma fonte de conhecimento quanto de felicidade.»

Main Menu