O Gato Visitador
Clique na imagem para ampliar

O Gato Visitador

10,00 €

Livro Raro

  • ISBN: 978-989-97468-9-3
  • Depósito legal: 358888/13
  • Idioma: Português
  • Tipo: Livro
  • Estado: Novo
  • Editora: Volta d'Mar
  • Autor: MACHADO, CARLOS ALBERTO
Tema: Literatura Portuguesa, Poesia
Edição: 1.ª

Procure o livro que tanto deseja

Selecione a quantidade prentendida, da Livraria que mais lhe convém

Pode encomendar livros em diferentes livrarias

Coloque os seus dados de contato e finalize o seu pedido

Irá ser contatado pelos Livreiros sobre a sua encomenda

Livrarias

Livraria Localização Estado Quantidade
Livraria da Companhia das Ilhas Açores, Lajes Do Pico Disponível -+
  • Descrição

Sua escrita se movimenta livremente em direção a uma estrutura pouco convencional, dotada de um pragmatismo que reflete o desenvolvimento de uma poesia subjetiva com foco no poeta, ou na própria poesia. A forma como expõe o processo criativo, seduz o leitor a “viajar” com ele em seu devaneio, pois “esta é desde sempre a sua demanda / agora aferroada a uma luz nova / um sagrado inviolável / é bom que o gato visitador o saiba / cada jornada pode matar a seguinte / num feixe de sucessivas passagens / pequenas mortes daquele que escreve/ abolição / completude / queres que te acompanhe / pergunta o gato visitador” (p.7).
(…)
Ao longo do texto, Machado dá continuidade ao que já conhecemos da sua escrita, confiante de que “o gato fingidor / perdão / visitador” estará sempre por perto, bem enraizado no seu âmago, consciente dos caminhos que ainda tem que trilhar com sua pena de sonho e realidade.
Finalmente, Machado consegue, com extraordinário mérito e sem muito esforço, o desvelo de conceber um texto singular “na companhia de oculto gato ouvidor o artesão / a tecer um texto raiado de onde se pode segurar ou perder / uma ponta / quem queira / eis o logro onde todos podem ter a ilusão de tecerem e serem / tecidos” (p.28).
Wellitania Oliveira, crítica literária, Doutorada em Ciências da Cultura pela UTAD.

«o homem encosta-se ao frio da noite sob a luz de uma vela
a primeira do seu primeiro altar em noite de cinza sagrada
antes mesmo de saber dos lutos vindouros sob outras luzes
e disto há-de o homem falar muitas vezes antes de pensar
como dizê-lo na sua voz e nas vozes que o povoam
antes e depois das palavras esquecidas e das outras
de outra vez está o homem de pé
encostado a uma sombra
a estancar uma veia»

Main Menu