Garrotilho
Clique na imagem para ampliar

Garrotilho

16,00 €
  • ISBN: 978-989-8828-90-3
  • Depósito legal: 460528/19
  • Edição: 2019
  • Idioma: Português
  • Tipo: Livro
  • Estado: Novo
  • Editora: Companhia das Ilhas
  • Autor: OSÓRIO, RAMIRO S.
Tema: Literatura Portuguesa, Poesia
Colecção: azulcobalto 

Procure o livro que tanto deseja

Selecione a quantidade prentendida, da Livraria que mais lhe convém

Pode encomendar livros em diferentes livrarias

Coloque os seus dados de contato e finalize o seu pedido

Irá ser contatado pelos Livreiros sobre a sua encomenda

Livrarias

Livraria Localização Estado Quantidade
Livraria da Companhia das Ilhas Açores, Lajes Do Pico, Portugal Disponível -+
  • Descrição

QUAL É A SINTOMATOLOGIA DESTA ANTOLOGIA?
Nunca me passaria pela cabeça auto-antologiar-me. Passou pela de alguém um projecto que não foi realizado.
Este livro é uma conclusão (parcial?) do meu objectivo nesse projecto: tentar identificar o que é que identifica a poesia que escrevo.
Encontrei o que me parecem ser duas paredes mestras que criam uma dualidade.
Tal como o meu livro de estreia na Companhia das Ilhas (Ao Largo de Delos) assenta na dualidade de duas Grécias (Grécia-Luz / Grécia-Treva), neste novo livro, a dualidade volta a estar presente, e cria tensão entre dois Ramiros: o da vida e o do duplo da vida chamado literatura.
Eu sou (malgré-moi?) o sujeito e o objecto de (pelo menos) essas duas paredes mestras. Sou aquele que dedica o que escreve "aos que chegaram depois" e sou aquele que escreve que não quer escrever, mas sim viver. Como se escrever não fosse viver! (E não é.)
“– Não é nada de bom-tom o sujeito (quem escreve) ter-se como objecto (do que escreve). Não é nada de bom-tom escrever o cântico de si próprio.”
Eu sei.
(R.S.O.)

Ramiro S. Osório tem tido uma actividade literária ao longo de dezenas de anos, sobretudo, mas não exclusivamente, como poeta. A sua obra está consolidada no panorama da criação portuguesa, e situa-se na raiz de uma convulsão cosmopolita, rebelde, de invenção sem regras. Usa a linguagem como um material concreto, fonológico, gráfico, em que um forte pendor experimental é equilibrado por afloramentos de humor surrealista, num flagrar inconfundível de desconcertos.
Fernando Cabral Martins

Main Menu