O Centenário Da Colectividade / Abril… Abril…
Clique na imagem para ampliar

O Centenário Da Colectividade / Abril… Abril…

10,00 €
  • ISBN: 978-989-8828-17-0
  • Depósito legal: 419191/16
  • Edição: 2016
  • Idioma: Português
  • Tipo: Livro
  • Estado: Novo
  • Editora: Companhia das Ilhas
  • Autor: BILOU, JOÃO
Tema: Literatura Portuguesa
Colecção: azulcobalto | teatro 

Procure o livro que tanto deseja

Selecione a quantidade prentendida, da Livraria que mais lhe convém

Pode encomendar livros em diferentes livrarias

Coloque os seus dados de contato e finalize o seu pedido

Irá ser contatado pelos Livreiros sobre a sua encomenda

Livrarias

Livraria Localização Estado Quantidade
Livraria da Companhia das Ilhas Açores, Lajes Do Pico, Portugal Disponível -+
  • Descrição

O Centenário da Colectividade, criado no âmbito das comemorações do centenário da S.O.I.R., alia a história desta colectividade à história do país, enovelando as vidas dos seus sócios com a vida do país, num inventivo jogo entre o teatro documentário, a colagem lírica e uma
escrita teatral de pendor épico. Assim, de forma dinâmica e intrincada, através de episódios da vida da referida colectividade, vão-se desfiando alguns dos momentos mais significativos da vida do país, do Alentejo e, em particular, da cidade de Évora. Por ali se interrogam
as assimetrias sociais da cidade no ínicio do século e do papel que a SOIR desempenhou para as corrigir; o fim da monarquia; a instauração da República; a Primeira Guerra Mundial; a opressão e sobrevivência durante o Estado Novo; a Guerra Colonial; e, depois, se revela o entusiasmo pelo mundo novo que se anunciava com o
25 de Abril de 1974. Tudo isto intercalado e comentado com passagens/excertos de espectáculos apresentados pela S.O.I.R. durante todo o século.
Abril... Abril... retoma o mesmo fôlego e os mesmos procedimentos narrativos, direccionando o texto mais especificamente para “as portas que Abril abriu”. O tom é de celebração e de comemoração mas sente-se também um fino traço nostálgico pelas promessas e utopias ainda incumpridas, mesmo depois de três décadas (então, em 2004) de vida em democracia. Uma nostalgia geracional, sem dúvida, mas uma nostalgia que não empurra para o desencanto – antes obriga a um não baixar dos braços e a voltar à rua. [Rui Pina Coelho]

Main Menu