Teatro (In)Completo: Volume I
Clique na imagem para ampliar

Teatro (In)Completo: Volume I

16,00 €
  • ISBN: 978-989-9007-20-8
  • Depósito legal: 477337/20
  • Edição: 2020
  • Idioma: Português
  • Tipo: Livro
  • Estado: Novo
  • Editora: Companhia das Ilhas
  • Autor: PESSOA, CARLOS J.
Tema: Literatura Portuguesa
Colecção: azulcobalto | teatro 

Procure o livro que tanto deseja

Selecione a quantidade prentendida, da Livraria que mais lhe convém

Pode encomendar livros em diferentes livrarias

Coloque os seus dados de contato e finalize o seu pedido

Irá ser contatado pelos Livreiros sobre a sua encomenda

Livrarias

Livraria Localização Estado Quantidade
Livraria da Companhia das Ilhas Açores, Lajes Do Pico Disponível -+
  • Descrição

Depois de em 2018 ter publicado na Companhia das Ilhas “Três Texto Excêntricos”, Carlos J. Pessoa (Teatro da garagem) volta à editora com o primeiro volume do seu teatro (in)completo. Nas suas palavras: «No meu debate com a violência, resultam peças de teatro, palcos de conflitos, o lamber de feridas e o retomar dos princípios, de liberdade e democracia (hoje em dia, nunca é demais relembrar o que parece óbvio), em que se funda a boa vontade e o entendimento entre as pessoas. Os enredos são indirectos e intersectados, histórias dentro de histórias, hiper-histórias; os assuntos múltiplos, concatenados ou não, evanescentes; o estilo resume-se em diversão, toca-e-foge, denso e quotidiano, filosofia e conversa de táxi. Há nestas peças de teatro, uma grande liberdade, uma auto-suficiência balançada por auto-crítica, uma autoria que se desautoriza, como se só assim fosse razoável o exercício de escrita/encenação. A própria ideia de uma escrita com reticências para o palco, uma escrita incompleta, que se assume assim, decorre dessa ética indissociável da estética, como se o palco fosse a moldura passível de julgar as palavras. E nesse julgamento, o julgamento de mim próprio, sim, mas sobretudo a possibilidade de um processo de conhecimento. Auto-conhecimento, inter-conhecimento, nascer com o mundo e com os outros, nascer com o paradoxo. Cada peça de teatro é um sopro de vida, a hipótese que me acusa, condena, mas também me reabilita. E na reabilitação estão as achas de um novo incêndio.»

Main Menu